A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Maus hábitos de berço


Esse é o título de uma matéria publicada na Folha de SP de 18/02/10, no Caderno Equilíbrio.

Informação que assusta: estudo brasileiro aponta que bebês de quatro meses comem lasanha congelada, salgadinhos e bolacha recheda - dá para acreditar?

Estudo inédito da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), tal documento será publicado no "Jornal de Pediatria" - ele mostra que a família brasileira está oferecendo alimentos cheios de gordura, açúcar, sal, corante e outros aditivos alimentares para bebês com quatro meses de idade.

Participaram do estudo 179 crianças, entre quatro e 12 meses, de famílias das classes A, B e C de São Paulo, Curitiba e Recife.
O objetivo era saber o que elas comiam durante sete dias. As mães foram orientadas a anotar tudo numa planilha.
No meio da papelada, apareceram lasanha pré-pronta congelada, macarrão instantâneo, refrigerante, salgadinho tipo batata chips, chocolate, suco artificial e muita bolacha recheada. Os bebês também bebem muito leite de vaca.

Como esperar que as crianças não estejam sempre doentes ou, provavelmente, obesas?

Nenhum dos alimentos citados acima deve entrar na alimentação dos bebês de até um ano de idade, por terem baixo valor nutricional (engordam, mas não nutrem), serem ricos em gordura (inclusive trans), açúcar e sal. No caso do leite de vaca, por ser inadequado.

Penso que tais alimentos não deveriam fazer parte da dieta de crianças ou de adultos.

Outra constatação do estudo: os maus hábitos alimentares são generalizados.
"Bebês dos três extratos socioeconômicos das cidades pesquisadas comem muito mal", diz Roseli Sarni, presidente do Departamento Científico de Nutrologia da SBP e uma das autoras.
"A alimentação da criança é reflexo da alimentação da família. Se a família tem hábitos não saudáveis, como o alto consumo de sódio (do macarrão instantâneo), de carboidratos simples (balas e doces) e de gorduras, a criança também terá".
"A falta de educação alimentar e nutricional aliada às práticas de marketing faz com que os pais se percam na hora da escolha alimentar". A pediatra defende a adoção de políticas de educação nutricional e uma rigorosa legislação sobre a produção de alimentos para a mudança do panorama.
Além da falta de educação alimentar, de ler e não entender os rótulos, Sarni suspeita que outro fator contribui para a má qualidade da comida infantil: os pais não sabem cozinhar.

Incluiria que, além de não saber, também muitos não têm interesse em aprender; é muito mais fácil comprar comida pronta, atirar no microondas ou já trazer tudo pronto dentro de saquinhos, caixinhas e latas - parece que tempo dispendido na cozinha, é tempo perdido!

O estudo em números

Consumo dos bebês de 4 a 6 meses

38,5% comem bolacha, principalmente as com recheio
20% comem alimentos semiprontos, como as lasanhas congeladas
12,3% comem macarrão instantâneo
1,5% comem doces, como balas e chocolate
1,5% bebe suco artificial

Consumo alimentar dos bebês com mais de 6 meses

29,7% comem alimentos semiprontos, como as lasanhas congeladas
26% comem doces, balas e chocolate
16,2% comem macarrão instatâneo pelo menos duas vezes na semana
9% bebem refrigerantes
5,4% comem embutidos (linguiça, salsicha)

Especialistas esclarecem as 20 principais dúvidas sobre o cardápio infantil



Não vou colocar aqui todas elas, sendo que algumas envolvem o consumo de carne e o blog é vegetariano (assim como a comunidade Mães Natureza, que criei e modero no orkut) - não pretendo estimular o consumo de produtos animais.

Eis algumas bem úteis, principalmente para os pais de primeira viagem:


P - Posso usar sal?
R - Nunca. Os alimentos já contém sódio que supre as necessidades diárias do bebê até um ano de idade. "Pode colocar esta resposta em letras bem grandes no jornal, porque é muito difícil convencer mães, cozinheiras, babás e avós a evitar o sal na papinha, pois os brasileiros gostam de comida salgada", diz Mauro Toporovski, professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Bravo! A Macrobiótica diz que não se usa sal na comida das crianças no primeiro ano de vida, já que ele "contrai", isto é, evita a expansão e é nesse período, justamente, que a criança obtém seu maior desenvolvimento.

P - Quais temperos podem ser incluídos?
R - Salsa e cebolinha, cebola e um fiapo de alho.

P - Posso colocar óleo?
R - Sim. Um fio de óleo vegetal, que não contém colesterol, quando a papa está pronta.
"Em geral, quando se faz um refogado, a queima do óleo produz uma substância que é irritante para a mucosa gástrica (a parte interna do estômago) para os adultos e, em particular, para os bebês", explica a nutricionista Tânia Rodrigues, diretora da RG Nutri, de São Paulo.

Bravo, novamente!

P - O que é proibido?
R - Temperos prontos, em tabletes ou pó. Atenção com espinafre, beterraba, rabanete e erva-doce. "Quando esses alimentos são reaquecidos, os nitartos presentes neles são convertidos em nitritos e nitrosaminas, substãncias carcinogênicas", diz Roseli Sarni.

Ponto para comida crua e fresca! Reaquecer alimentos?


P - Quais são as sobremesas mais indicadas para os bebês?

R - Os purês de frutas cozidas sem açúcar, como de maçã. Também pode-se oferecer salada ou sorvete de frutas sem açúcar e feitos em casa. "Se quiser variar a sobremesa, mude a forma de preparo ou a apresentação da fruta", diz Roseli Sarni.

Maravilha! Apenas não concordo com a ingestão de frutas e doces depois da refeição - elas deveriam ser oferecidas em lanches, nos intervalos das refeições.

P - Por que dar apenas frutas de sobremesa?
R - Porque é a sobremesa ideal para atingir as porções necessárias para serem ingeridas num dia. Melhor ainda que sejam frutas ricas em vitamina C, como a laranja, para ajudar na absorção de ferro. Além disso, elas estimulam a mastigação e o bom funcionamento intestinal. Roseli Sarni explica que nesse período o paladar infantil está sendo moldado e, se a criança comer mais alimentos doces do que os de qualquer outro sabor, pode criar um padrão e aceitar apenas comidas doces. Ou seja, quando a criança tiver de comer "os verdes" será um problema, porque o paladar dela prefere bolo, bala e bolacha recheada.

Concordo inteiramente que o paladar é educado! Mas ainda penso que as frutas devem ser oferecidas longe das refeições. A sugestão de ingerir uma fonte de vitamina C para ajudar na absorção de ferro é especialmente dirigida aos vegetarianos, que consomem o ferro não-heme (proveniente de vegetais). Para quem come carne, a indicação não é imprescindível.

P - Não posso dar bolacha recheada?
R - Nunca antes de a criança completar dois anos. Segundo Tânia Rodrigues, dar alimentos saudáveis favorece o bom funcionamento do sistema gastrointestinal, a aceitação de sabores salgados, amrgos e azedos. E esse tipo de bolacha costuma ser "recheado" de açúcar e gordura.

Podem me chamar de radical, mas bolachinhas recheadas feitas pela "mamãe indústria alimentícia" poderiam ser extintas da face da Terra...

P - Bebês podem comer gelatina artificial?
R - Não, porque são alimentos extremamente ricos em açúcar refinado, corantes ou conservantes e edulcorantes. "Gelatinas não são recomendadas em uma alimentação saudável", afirma Roseli Sarni.

Vivaaaa! Até que enfim "a palavra oficial" está informando a verdade - quem não deve estar gostando nada disso, são os fabricantes de todo esses "alimentos" contestados!

P - Pode-se oferecer água ou suco para o bebê após a papinha?

R - "Nas fases iniciais de introdução da alimentação complementar, antes da plena aceitação, recomenda-se leite materno", explica Roseli Sarni. Quando o aleitamento materno exclusivo termina, o bebê que já se acostumou com a papa, pode beber água nos intervalos das refeições e nos dias quentes.

P - Por que manter a oferta de leite materno após a papinha?
R - Segundo Sarni, além de ser um alimento completo, há estudos mostrando que o leite materno protege o bebê de reações alérgicas à comida nesse período de transição. "Mas isso é controverso, pois há documentos indicando que o leite materno não teria esse efeito protetor". A oferta do leite materno após a papa ocorrerá por um curto período de tempo, até o bebê se acostumar à refeição.

Já que é controverso - nada ficou provado em contrário ou a favor - fico com o consumo do leite materno sempre! Minha filha caçula mamou até os dois anos de idade e adorava o leite, mesmo gostando de todos os outros alimentos oferecidos.

Fico satisfeita quando tanta informação de qualidade é assim veiculada - tomara aconteçam muitas mudanças e que, enfim, os pais despertem para a importância da alimentação para os pequenos seres humanos - nossos bebês! Acredito que a indústria alimentícia esteja desgostosa com as declarações, pois seus produtos foram desqualificados - qual será a reação? Estou curiosa... será que farão como no caso dos refrigerantes, onde decidiram adicionar vitaminas e minerais para torná-los mais "saudáveis"?

15 comentários:

Nane Cabral disse...

Olá Vera, estou adorando essa série que está postando de alimentos infantis, muito interessante. Vc acredita que a filha da minha vizinha tomava até coca cola antes de um ano? um absurdo! Bjos, Nane www.vovoqueensinou.blogspot.com

Vera Falcão disse...

Oi, Nani, acredito pq também já assisti à essa loucura... acho importantíssimo a divulgação da alimentação saudável para as crianças, já que elas serão futuramente, adultos, não? E do jeito que a coisa vai, teremos uma geração de doentes e frágeis seres humanos... bjos

Anônimo disse...

ACHO IMPORTANTISSIMO UMA ALIMENTAÇão saudavél .Mas nao sei usar os alimentos que beneficie minha filha de 1 ano.............queria dicas

Vera Falcão disse...

Anônimo, o principal é fugir dos industrializados e usar verduras, frutas, legumes, sucos, brotos, cereais, leguminosas, evitar sal e açúcar para não estragar o paladar da criança, enfim deixá-la conhecer os alimentos na sua forma mais natural - vocês são vegetarianos? O que costumam comer no dia-a-dia? A maioria das receitas aqui do blog podem ser adaptadas para crianças, observando a redução da quantidade dos ingredientes.

Karen disse...

Oi Vera, tudo bem?

Sou mãe de uma linda bebê de pouco mais de 1 ano, que amamentei exclusivamente até o sexto mês, e depois disso iniciei a introdução de sólidos de forma muito gradual e "natural". Ate hoje ela não sabe o que é sal, açúcar ou alimentos industrializados, e mama o quanto quer e quando quer o leitinho da mamãe, e só este. Tudo o que ela come sou eu quem faço, e tudo biológico. Entretanto passo um pouco de aperto, pois moro na Bélgica e aqui a variedade não é muito grande.
Infelizmente meu tempo para procurar por receitas também é um tanto limitado, então pensei se vc não saberia me indicar onde encontrar receitas simples para refeições para bebês desta idade, e que não exijam alimentos difíceis de se encontrar por aqui!
Aproveitando, parabéns pelo blog, pela postura e pela quantidade de ricas informações que encontramos aqui!
Ah, e minha pimpolha tb segue vegetariana, por amor aos animais!

Beijos e tudo de bom!
Karen

Vera Falcão disse...

Oi, Karen, obrigada pelos elogios! Na verdade, a alimentação de uma criança pequena é bem simples: a proteína das leguminosas e das castanhas, os carboidratos dos cereais integrais, as verduras, os legumes, as frutas e as sementes germinadas. Como disse para outra mãe logo acima, evitar o sal e o açúcar em excesso, usar azeite de oliva extra-virgem e orgânicos, se possível. A maioria das receitas daqui do blog podem ser feitas para crianças, diminuindo a quantidade dos ingredientes. Já pensei em fazer um tópico especial sobre o tema, pois muitas mães solicitam tais dicas.
Se vc puder comprar pela internet, há dois livros que recomendo: Comida Vegetariana para Crianças, da Sara Lewis e Mamãe, eu quero, da Sonia Hirsch. E evite a soja, que é uma praga na mesa dos vegetarianos, a não ser na forma fermentada.
Lembre da simplicidade: um pouquinho de arroz integral, feijões, legumes no vapor, como abobrinha, chuchu, batata-doce, saladas cruas bem picadinhas e com salsinha por cima, tortas salgadas recheadas com verduras, sucos de frutas, verduras s brotos combinados, pão integral com pastas diversas, um pouquinho de tofu, bifes de gluten, leites vegetais variados (não repetir sempre o mesmo, controlar a dosagem das fibras, o mínimo de castanhas que são bem gordurosas para os pequenos). Aliás, a questão das fibras é importante, já que os vegetarianos consomem muito delas no cardápio e uma criança pequena não deve ingeri-las demasiadamente, pq seu sistema digestório é mais sensível.
Vou pensar com carinho em tópicos destinados às crianças por aqui... beijos em vc e na bebê (ela é lindinha mesmo, dá para ver na foto)!

Karen disse...

Oi Vera!

Muito obrigada por responder tão prontamente!
Bom, na verdade eu ando com várias dúvidas, e qdo falo que preciso de receitas é pq não tenho mesmo imaginação pra criar comidinhas naturais e gostosas. Preciso confessar, eu e meu marido não somos muito naturais. Ele então! Já temos o paladar viciado, e por conta disso faço 3 tipos diferentes de refeições em casa, uma pra cada um de nós. Entretanto com a Klara faço questão de dar o melhor.

O que ela come é basicamente cozido no vapor: cenoura, abobrinha, vagem. Tb grão de bico, milho, ervilhas e feijão azuki. Batata-doce assada. Arroz integral e aveia. Tb frutas, sucos ela não gosta! Chuchu, inhame, cará, mandioca - estes alimentos não há por aqui. Alguns outros só em determinadas épocas. E eu não sei como fazer comidas interessantes com nada disso, só cozinho mesmo e pronto. Como ela ainda não tem molares é tudo mais esmagadinho. O arroz integral e aveia eu passava na peneira, qdo tentei não fazê-lo e apenas amassar, ela passou a ter cólicas, não dormia bem. Foi só voltar a passar e tudo melhorou. Acho que era forte demais para o aparelho digestivo. Só agora ela começou a aceitar alimentos pela manhã, mas estou sem idéias. Tenho medo de dar o pão integral e ser forte demais pra ela, devido a experiência com a aveia e arroz. Mas tb não queria repetir e dar a aveia pela manhã e a noite!!!

Enfim, a vida é corrida demais para receitas mais demoradas. E aqui tb não há muita variedade! Gostaria de ter outras combinações para a aveia, além de misturar com legumes e banana. Ou quem sabe lembrar de outro cereal para o café da manhã.

Qto aos livros, tenho o Mamãe eu quero, e adoro. É muito esclarecedor, embora as receitas estejam meio fora do meu alcance. Ele usa muitos alimentos que não encontro por aqui.

Bom, acho que já escrevi demais, e talvez até mais assunto do que devia. Desculpa!
Mas agradeço caso lembre de mais dicas!
E ainda vou dar uma olhadinha com calma nas receitas do blog, qdo a pequena dormir de preferência!

Muito obrigada pelas dicas, pelo seu carinho, cuidado e interesse!

Beijos e mais uma vez Obrigada!
Karen

Vera Falcão disse...

Karen, adoro ajudar meus leitores a encontrar boas soluções, então acaba sendo uma troca saudável: vcs colocam suas dúvidas e procuro apontar caminhos!
Então, como disse anteriormente, são muitas mães que me pedem uma "cozinha natureba" para a criançada, por isso já estou montando um espaço especial para elas, com receitas, dicas, enfim, no mesmo estilo do que ofereço para os adultos. Espera só um pouquinho que o primeiro tópico já vai sair do forno... bjos

Karen disse...

Oi Vera! Tudo bem?
Estive sem tempo de aparecer por aqui, entretanto estou ansiosa por algumas receitas!
Dei uma olhada rápida no blog e "acho" que não encontrei nada novo direcionado à criançada, ou estou errada e vc já "criou" alguma coisa? rs
Estou tentando ler seu blog com mais calma e adaptar algumas receitas, mas acho que preciso de mais horas no meu dia! rs

Beijos e obrigada por tanta coisa boa!
Karen

Vera Falcão disse...

Karen, criei o label (etiqueta) "Gurizada Vegetariana", para reunir os posts relacionados com alimentação infantil. À medida que puder, vou colocando novidades ali, ok? bjo

Karen disse...

Obrigadíssima Vera!

Se estiver aceitando pedidos posso te ajudar citando os probleminhas que venho encontrando aqui em casa, e que preciso de ajuda para solucionar.
A Klara, agora com quase 14 meses, não aceita saladas cruas... e tb enfrento o problema para fazer com que ela coma "folhas" principalmente. Minha mãe deu a dica de fazer uma sopa com muita "coisa", o problema da sopa é que aqui estamos no verão... sopa e dias quentes não combina muito!

Peço desculpas por estar sempre e sempre perguntando e escrevendo, mas adoro seu blog e suas dicas!

Beijos!
Karen

Vera Falcão disse...

Oi, Karen, fique à vontade para fazer perguntas, gosto de responder; às vezes, demoro um pouco pq faço coisas demais... rs
Uma ideia para utilizar as folhas é o suco verde, vc usa maçã e couve, por exemplo, bate no liquidificador (ou na centrífuga), depois mistura com um suco de laranja ou tangerina. Pode adicionar cenoura, mamão, manga e variar as folhas (abacaxi e folhas de hortelã fica uma mistura deliciosa!). Também usar um pouquinho de brotos, enche de nutrientes a sua filhota!
Ou cozinhe algumas folhas no vapor, depois pique bastante e ponha numa cobertura de pizza misturadas ao molho, no recheio de uma panqueca ou de uma torta salgada ou ainda, ponha numa deliciosa farofa, com ovos picados e passas. Ficam "escondidinhos" entre os outros ingredientes... rs

Bjos e volte sempre!

Vera Falcão disse...

Falei em usar ovos, mas esqueci se vc os usa ou não... rs... mas a farofa fica ótima também sem eles. Experimente fazer uma com bardana e cenoura em pedacinhos, as passas e salsa muito bem picada (além da farinha de mandioca refogada na cebola, é claro), junte com um caldinho de feijão e arroz integral e está feita a festa! Meia hora antes, ela pode tomar um copinho de suco verde pra ajudar na absorção dos nutrientes.

Karen disse...

Puxa Vera, adorei as dicas!

Será que vc me empresta essa sua cabecinha cheia de receitas maravilhosas?! hahaha
Não consigo ter essa imaginação!
Qto aos ovos, até uso sim... gostaria de ser vegan mas ainda é um passo um tanto longo para mim.
Em relação aos sucos, vou tentar, embora minha pimpolha não seja tb chegada em cítricos! Ah essas crianças!
Vera, pq vc não escreve um livro de receitas? Eu compro!

Bjs e obrigada por tudo!
Karen

Vera Falcão disse...

hahahahaha... minha cabeça está sempre a 1000 por hora! um livro de receitas está entre os meus inúmeros projetos, qualquer hora ela nasce, let it be!
Misture os cítricos com outros sabores, em pequena quantidade, a princípio, e procure usar as laranjas mais doces, como a de umbigo, que tem um suco que é como um néctar escorrendo pelos cantinhos da boca quando a degustamos... noooossa, salivei! hehe... bjo