A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

domingo, 6 de outubro de 2019

Vamos rir um pouco?

Não resisti à essa piada... 😄😄😄😄

Estava procurando imagens de ervas nos meus arquivos e aí deparo com ela, ri muito!

Compartilho com vocês e espero que divirtam-se tanto quanto eu.


                                             Cuidado com o armazenamento das ervas!
                                                                         😂😂😂😂

Conservação e armazenamento de ervas



A maior parte das ervas se manterá fresca por alguns dias se envoltas em uma toalha de papel e colocadas em saco plástico na gaveta de hortaliças da geladeira. Para conservá-las por mais tempo, teremos que congelá-las ou desidratá-las

Congelamento

Ervas de folhas tenras - manjericão, coentro, hortelã e salsinha - são melhores para congelar em cubos: picar finamente, encher as bandejas para gelo com elas e preencher com água ou azeite, congelar e depois armazenar os cubos em sacolas plásticas bem fechadas. Também podem ficar nas bandejas se forem usadas logo.
Ervas de folhas mais firmes - alecrim, tomilho e louro - são melhor congeladas em ramos: secá-los com toalha de papel para retirar a umidade, colocar em sacos plásticos e guardá-los em recipientes próprios para congelamento.

Rotule e date as sacolas e recipientes. Se as ervas forem bem congeladas e armazenadas, conservam-se por 2 a 3 meses. Depois que retirá-las do congelador, pique e use imediatamente.

Algumas ervas, como o manjericão, precisam ser escaldadas para que suas folhas não escureçam. Coloque as folhas em um coador e derrame água fervente sobre elas rapidamente. depois estenda sobre toalhas de papel para que sequem e esfriem antes de congelá-las.

Desidratação

A secagem ou desidratação permite armazenar as ervas para usá-las quando não as tiver frescas ou congeladas, logo, é mais uma alternativa.

Ervas como o orégano, tomilho, sálvia, segurelha, hortelã e alecrim respondem bem a esse processo. Isso já não acontece com o funcho, endro ou a cebolinha. 

Retire folhas murchas ou descoloridas, limpe as sadias com um pano ou sacuda para retirar a poeira ou terra. Evite lavar para que as folhas não desenvolvam fungos. Junte vários ramos em um maço e ate-os com barbante. O local de secagem deve ser seco, escuro, tépido e livre de poeira, bem ventilado.
Pendure os maços ou espalhe pequenas quantidades das ervas em uma gaze aberta sobre uma tela de arame. Em temperatura de 26 a 30°, uma camada fina de ervas leva 4 a 5 dias para secar. Devem ficar finas como uma folha de papel, mas não secar a ponto de virar pó. Retire as folhas dos ramos e armazene de imediato, para evitar que absorvam umidade. Triture quando for usar.

Armazenamento 

O ideal é armazenar as ervas em local fresco e seco.

Devem ser guardadas em recipientes opacos, nunca próximas ao fogão.

Rotule cada recipiente com o nome da erva e a data de aquisição ou secagem. 

Em locais frescos e escuros, a maioria delas conserva-se por um ano. Depois desse período, começam a deteriorar. Se notar a presença de umidade, mofo ou insetos, descarte de imediato.



sábado, 5 de outubro de 2019

Ervas e Especiarias: o que as diferencia?

Se na botânica não há uma diferenciação precisa, na culinária distinguimos especiarias das ervas. Algumas regras nos ajudam a identificá-las.

Se usamos as folhas e flores, trata-se de uma erva; se utilizamos as sementes, raízes, frutos ou cascas, trata-se de uma especiaria.

Além disso, as ervas são plantas de regiões temperadas, enquanto as especiarias, em sua maioria, crescem nos trópicos.

Ervas geralmente são verdes e de sabor mais sutil; a coloração das especiarias varia do preto a tons de marrom e vermelho e seu sabor é marcante.

Muitas vezes uma mesma planta nos fornece uma erva e uma especiaria.
A folha do coriandro, por exemplo, é a erva que conhecemos como coentro.
A semente marrom da planta é uma especiaria, conhecida como coriandro.
Na língua inglesa, a erva é chamada de coriander e a especiaria de coriander seed.


As folhas, denominadas coentro e as sementes, chamadas de coriandro: ambas são produzidas pela mesma planta.

domingo, 22 de setembro de 2019

Bolo estimulante com cacau e café





Esse bolo tem cacau e café, dois estimulantes, então serve pra dar uma animada quando bater a leseira.

Ingredientes da massa

1/2 xícara de açúcar mascavo
1/3 xícara de óleo de girassol
Gel de linhaça que substitui 2 ovos: colocar 2 CS de sementes de linhaça em 1/2 xícara de água e deixar hidratar; faça isso com antecedência pra que o gel seja produzido em tempo.
2 xícaras de farinha integral fina, ou uma de integral e uma de branca - ambas orgânicas.
uma xícara de leite vegetal - de arroz, coco etc, o da foto fiz com leite de amêndoas.
uma xícara de cafezinho com o próprio dentro, forte e encorpado.
3 CS bem cheias de cacau em pó - não é chocolate em pó, que vem misturado com açúcar e tem pouco cacau, aí tem que usar uma quantidade enorme pra dar aquela coloração escura. Podem usar também alfarroba.
uma CS de fermento em pó: dá pra usar o químico, mas como tem alumínio já abandonei faz tempo. O meu fermento em pó faço na hora do consumo e uso o seguinte: 2 cc de cremor tártaro e uma cc de bicarbonato de sódio, bem cheias pra equivaler a uma colher de sopa. Se quiserem fazer mais para armazenar, é só aumentar essa medida. Guardem num vidro beeemmm fechado.

Ingredientes do recheio e da cobertura

O recheio foi feito com uma geleia de morangos com pimenta. Como o fato de ter pimenta aumenta consideravelmente o preço das geleias - ainda não entendi porque já que pimenta é um ingrediente barato - costumo pegar uma porção da geleia comprada e cozinhar levemente com umas sementes de malagueta (ou se quiserem um sabor menos picante, a rosa ou biquinho), deixar esfriar completamente e misturar com o restante do vidro.

O ganache leva cacau, leite vegetal, açúcar mascavo e um pouco de agar-agar (gelatina vegetal).

A farofa tem castanhas-do-brasil picadas no processador (também conhecidas como castanhas-do-pará, mas acho que a primeira denominação é mais patriótica).

Modo de fazer

Sigo nessa ordem exata:

Misturar o açúcar, o óleo e o gel de linhaça, bater até que fique muito cremoso. 

Adicionar a farinha: uma xícara peneirada e meia xícara do leite. Bater. Adicionar a outra xícara de farinha peneirada, a meia do leite restante e o café. Bater mais, pra ficar uma massa bem fofa como a cozinheira.

Juntar o cacau e bater mais.

Chegando a hora de adicionar o fermento, não bata mais. Ou seja, junte-o à massa e simplesmente misture, sem bater.

À essa altura, espera-se que o forno esteja preaquecido a 200° e a forma untada para receber a massa.

Assar por 40 a 45 minutos: depende do forno, cada cozinheira conhece bem o seu.

Retire a forma do calor e espere esfriar para desenformar.

Corte o bolo pela metade, na horizontal, pra colocar a geleia. Se quiser fazer mais camadas, não me incomodo. Fiz só uma pra não ficar muito doce ou excessivamente picante.

O ganache já morno (dissolver os pós no líquido, levar ao fogo baixo mexendo sempre até chegar na consistência cremosa) vai ser despejado sobre o bolo e depois pulverizamos a farofa de castanhas.

Bom proveito! Não comam demais que doce é pra ser um deleite ocasional, e não um poço onde a gente afunda as mágoas e insatisfações...



quarta-feira, 19 de junho de 2019

Criando na cozinha

Uma das melhores maneiras de cozinhar é ir inventando a receita na hora da produção, ou seja, pegamos alguns ingredientes e vamos misturando e vendo no que vai resultar!

Minha ideia aqui era fazer uma "torta de frigideira", selecionei o seguinte:

azeite de oliva
cebola picadinha
sal, suco de limão, cúrcuma, páprica defumada
salsa, cebolinha e peixinho-da-horta picados
2 cenouras grandes raladas
200 g de grão-de-bico cozido
150 g de cuscuz hidratado
3 CS de sementes de linhaça hidratadas (gel)
1 CC de bicarbonato de sódio

Fazendo:

Numa frigideira grande, coloquei a cebola pra refogar no azeite de oliva.
Juntei o grão-de-bico, quando estava douradinho adicionei a cenoura, os temperos e os verdes.
Refoguei mais um pouco.
Numa vasilha misturei o cuscuz, o gel de linhaça e o bicarbonato e coloquei sobre o refogado.
Baixei o fogo, reguei com mais azeite de oliva e deixei cozinhando, até que a massa estivesse macia e dourada na superfície e crocante no fundo.
Ficou simplesmente deliciosa!
Comi com arroz integral e uma salada de verdes com brotos de alfafa.

terça-feira, 19 de março de 2019

Voltando animada

Gente, um ano passou desde que fiz a última postagem aqui!
Nossa! Acabei investindo mais na página Cozinha Natureba do Facebook e deixei meu amado blog em coma.
Mas hoje está sendo reativado e com muita vontade de matar as saudades!

Ando pilhada em experimentar molhos e temperos novos ou dando um up nos tradicionais.
Aqui vai uma receita com pimenta biquinho, que não é nada picante, segue um link que fala sobre ela: https://cozinhanatureba.blogspot.com/2010/12/mais-um-mito-que-cai.html

MOLHO DE PIMENTA BIQUINHO
Ingredientes

800 g de pimenta biquinho em conserva
120 ml de água
4 CS de azeite de oliva
4 dentes de alho picadinhos
1 cc de orégano seco 
2 CS de açúcar de coco (ou mascavo)
2 folhas de louro
Sal a gosto

Como fazer

Escorrer as pimentas e reservar o vinagre da conserva (usei o de maçã para fazê-la).
Colocá-las no liquidificador, juntar a água e 3 CS do vinagre.
Bater até virar um purê.
Aquecer o azeite e dourar o alho.
Juntar o purê, o orégano, o açúcar e o louro. Abaixar o fogo e cozinhar com a panela semi-tampada. 
Quando ganhar consistência de molho (15 min aproximadamente), retirar as folhas de louro e desligar o fogo.
Quando o molho estiver morno, levar novamente para o liquidificador. Peneirar sobre uma tigela e acertar o tempero, se necessário. 
Dura na geladeira por, no máximo, uma semana.

 
                                                              Pimenta biquinho não é ardida!

quinta-feira, 22 de março de 2018

Gersal, também conhecido como gomásio




"As sementes de gergelim combinadas com o sal (quatro partes de sementes torradas e bem moídas para uma de sal marinho torrado bem moído) destroem os maus efeitos do açúcar em todo o organismo humano, muito especialmente no sistema nervoso e cerebral. O óleo de gergelim do gomásio reveste cada partícula do sal e impede a sede. Penetra na circulação sangüínea e normaliza a hiperacidez do sangue. Lembrai-vos: excesso de acidez e morte são a mesma coisa!"
George Ohsawa, em seu livro Macrobiotica Zen - A Arte da Longevidade e do Rejuvenescimento

Gosto de fazer o gersal em casa, principalmente porque processam demais o comercializado e também perde seu sabor e perfume sendo armazenado por muito tempo.
É bastante simples, basta comprar as sementes de gergelim com casca (é nela que estão concentradas as propriedades) e sal marinho (sal grosso), usando a proporção de 10 colheres de sementes para uma de sal.
Primeiro, tosto as sementes em fogo baixo, mexendo sempre e acompanhando para que não queimem. Cuidado que elas saltam na frigideira! Coloco-as no pilão e levo o sal para o fogo a fim de tostá-lo um pouco. Junto ambos no pilão e soco, é um bom exercício para os braços...
Levo novamente à frigideira, agora sal e gergelim, voltando a tostá-los, mexendo e amassando. O perfume que levanta é maravilhoso! Retornam pra cumbuca e são mais triturados ainda. Se quiserem rapidez, coloquem no processador, mas aí acontece o que falei anteriormente, vira um pó, o que não ocorre na produção manual. Esperar que esfrie e armazenar em vidro bem fechado, durante no máximo 30 dias, por isso não façam muita quantidade.
Utilizar em cima de pratos prontos, principalmente sobre o arroz integral.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Hambúrguer de grão-de-bico

















HAMBÚRGUER DE GRÃO-DE-BICO: fácil de fazer, delicioso pra comer!
Essa quantidade de ingredientes dá pra fazer 4 unidades bem grandes, usadas pra fazer X-veg ou servir com arroz e uma salada verde.
No liquidificador: uma xícara de chá de grão-de-bico previamente cozido e bem temperado, uma cenoura crua picada e duas colheres de sopa de gel de linhaça (tem a aparência de clara de ovo e a mesma função). Se necessário líquido, acrescentar um pouco de água, o meu liquidificador é quase um processador, então não adicionei. Bater até virar um creme. Colocar em uma vasilha, corrigir o sal e ir acrescentando farinha da sua preferência, usei a de arroz, o que torna este prato permitido para celíacos.
Adicionar um pouco de azeite de oliva, ir colocando a farinha e mexendo até ficar numa consistência que possa ser modelada com as mãos.
Untar um prato refratário e dispor os hambúrgueres, assar a 200º em forno preaquecido, de 20 a 30 minutos.
Fiz um molho de tomates com cebola roxa pra derramar em cima dos queridos, que saíram bem tostadinhos e macios do forno.
P. S. Falei 4 e só tem 3 nas imagens, é que não resisti e devorei um deles antes de fotografar.

domingo, 22 de outubro de 2017

Cristal e o suco verde





















Cristal, filha da Huaína Oliveira, cresceu tomando suco verde, como podemos observar nas imagens - ela, bem pequena e um pouquinho maior, bebendo com prazer o seu copo de suco.

Segue um comentário da Huaína sobre os hábitos alimentares da família e da filhota:

"Não consumimos leite de vaca. Ela mamou no peito até 2 anos e 6 meses. A salada preferida dela é broto de alfafa com pepino e semente de girassol tostada, temperada com limão e shoyou.
Nunca comeu carne vermelha ou porco (igual a mim). Frango também não come, mas de vez em quando come peixe fora de casa.
Podemos dizer que somos "ovo-vegetarianos", porque é assim 95% do tempo.
Cuido bastante da alimentação dela, sem radicalismos, pois se vai numa festa, ela acaba comendo o que as outras crianças comem ...
Nunca tomou antibiótico, e fica poucas vezes doente, somente com leves resfriados, mais no inverno.
O mais importante pra mim é a rotina ser saudável, o dia a dia."


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Bolinhas de aipim

















Receita facílima de fazer, cruelty free. Podemos usar outros tubérculos, como batata inglesa e batata doce, mandioquinha, inhame, cará, o segredo é não cozinhá-los demais para não ter que adicionar farinha às bolinhas.

Cozinhar 1 quilo de aipim com sal, não deixar macio demais, que fique numa consistência firme. Faça isso na véspera e reserve. Já prepare também o gel de linhaça, colocando as sementes de molho, ele irá substituir os ovos para fornecer a liga.

Coloque o aipim no processador até produzir uma massa homogênea. Passe para uma vasilha grande, use seus temperos favoritos (coloquei orégano, salsa picadinha e cúrcuma, para dar o tom amarelado) e junte aproximadamente 3 CS do gel de linhaça, misturando bem. Adicione leite vegetal (usei o de arroz) aos poucos, para encorpar mais a massa. Se desejar, adicione também "queijo vegano" ralado. A massa não pode ficar muito mole, isso acontecerá se cozinhar demais os tubérculos ou se exagerar na quantidade do líquido.

Passe azeite de oliva nas mãos e vá fazendo as bolinhas, colocando-as numa forma grande, forno pré-aquecido a 200º, retire quando ficarem douradas. Servem para um lanche, como aperitivo ou pra comer assistindo a um filme de suspense, que foi o que fiz! :)