A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Você escuta seu corpo?


Hoje acordei sem saber o que estava com vontade de comer...
Parece uma frase muito existencial?
Pois saibam que a intuição, uma habilidade que temos (uns menos, uns mais) e não é aceita "cientificamente" (não há "provas concretas"), quando seguida, nos leva a escolher o melhor para nós.
Mas hoje, eu não estava escutando minha voz interior, que está sempre ali, emitindo sinais.
Estou passando por um período difícil, desanimada, com raiva e ressentimento no coração.  Sei que não deveria acalentar tais sentimentos, mas é difícil fazer com que desgrudem.
Abri a geladeira, portas de armários, espiei nas prateleiras e nada me agradava.
Até que encontrei um abacate e, automaticamente, senti seu sabor na minha boca.
Sim! Era ele que me deixaria mais animada, mas teria que ser uma preparação salgada.


Coloquei o abacate (pequeno, poderia comê-lo todo) numa tigela, amassei com um garfo (nada de liquidificador) e adicionei: uma colher de chá de molho de pimenta, sal marinho a gosto, sumo de um limão pequeno, meia cebola média bem picadinha, azeite de oliva (os metódicos, que hoje me perdoem, mas não sei a quantidade exata que usei, fui colocando até a guacamole ficar bem cremosa).
Lavei umas folhas de alface e de agrião e piquei uma cenoura em palitos.
Coloquei os vegetais num prato verde e a guacamole num bowl japonês onde estava escrito "esperança".
Parei para observar e perceber o resultado do meu trabalho.
Com exceção das cenouras cor-de-laranja (cor que traz vitalidade), todos os itens eram de coloração verde, a do chacra do coração: estou mesmo precisando de uma boa dose de energia positiva nesse órgão, que encontra-se muito machucado. E visualizar a palavra esperança na louça, ajudou a levantar o ânimo...
Muitos podem achar que tudo isso é uma "pilha de bobagens new-age", mas quando deixarem de ser céticos, soltarem as amarras e mergulharem em novas propostas, sentirão em si mesmos o que aqui relatei.


Meu desjejum estava maravilhoso, depois dele vim pra cá escrever e mais tarde continuei me entregando a tantas outras atividades que me dão prazer e me ajudam, diariamente, a crescer. Não sobrou espaço para tristeza ou  autocomiserção!

20 comentários:

Luana disse...

É meu blog favorito!!

Vera Falcão disse...

Luana, que alegria saber disso! Obrigada, beijos em vc e naquela fofura que é a sua filhota!

Maria Moreira disse...

Parei só para enviar uma FORÇA e um abraço. Melhores dias virão. Tudo de bom para você, força nas trancas :)

Vera Falcão disse...

Obrigada, amiga! A certeza de que eles virão é que não nos deixa desistir de seguir em frente... a vida é uma Roda, ora estamos lá em cima, ora lá em baixo... e la nave va!

Kenia Bahr! disse...

Oi Vera, passi para dar um oi. Gostei do blog, tou seguindo agora hehehe.
Espero que fique bem e que a tranquilidade tome conta do seu coração.

Beijos e até breve.

Kenia

Vera Falcão disse...

Oi, Kenia, adoro visitas - ainda mais quando elas trazem junto palavras gentis!
Já estou melhor, obrigada, me recupero logo das quedas...

Bjs

Kenia Bahr! disse...

Olá Vera, que bom que está melhor. O grande lance é mesmo tentar se lembrar, mesmo nos momentos mais obscuros, de acender a luz (palavras do professor Dumbledore, do Harry Potter - eu tenho cada mestre que vc não acreditaria hehehe).

Aliás, foto muito interessante essa sua, essa cor de cabelo é bem peculiar!

Bem, estou por aqui novamente, tentando dar uma lida geral no seu blog. Há muita informação boa aqui, obrigada por compartilhar. Estou num momento de pesquisa sobre saúde, tenho andado por alguns blogs, sites e livros. Há tempo venho mudando hábitos, alimentares, de cura, de modo de visão... tentando...sempre...

Como posso ver, vc gosta de trocar informações sobre esses assuntos tb, não é? E que bom poder partilhar nesse espaço.

Aliás, li seu post sobre as panelas. Sempre me senti meio "assim" de usar tanto alumínio, ainda mais quando uma conhecida foi internada com vários problemas e constatou-se que ela estava com aluminose, por motivos óbvios. Mas sabe quando a gente vai fazendo vista grossa, fica meio sem saber o que fazer com a panelada toda e tals... sei que após ler aqui e tb lá na Sônia Hirsch, reabilitei minhas panelas de ferro e barro que estavam lá no sítio. Estou adorando, tinha esquecido de como tudo muda, inclusive o gosto dos alimentos, pra melhor.

Beijo grande e até breve.

Kenia

Vera Falcão disse...

Oi, Kenia, bom te receber aqui novamente!
A variedade é fundamental, até quanto aos mestres que nos iluminam - o cabelo é de 3 anos atrás, agora está curtinho e castanho - mas logo invento alguma coisa pra fazer com ele, é o meu veículo mais experimental! rs
Sou uma pesquisadora incansável (coisa de jornalista) e a alimentação e sua estreita relação com a saúde me atraem desde a década de 70, quando conheci e pratiquei a Macrobiótica. É um tema que dá muitas voltas, o que valia ontem já não vale hoje e vice-versa. Mas parece que existe a permanência de alguns pontos, como a simplicidade, a variedade e o prazer - fatores que não podem faltar numa alimentação rica e saudável!
Pois é, fala-se muito contra o alumínio de uns tempos pra cá, inclusive que ele seria uma das causas do Alzheimer e como há uma lógica no fato de que partículas dele viajam para a comida e são assimiladas, aposentei as panelas de alumínio que tinha! A gente cai na conversa macia da indústria e não pensa melhor a respeito das nossas aquisições - é preciso mudar esse costume, não?

Beijos e volte logo!

Kenia Bahr! disse...

Siiiiimmm, a indústria é tão macabra! Não dá pra confiar em quase nada. Estou tentando usar minhas panelas, acho que terei sucesso :)

Eu sou ligada em alimentação saudável tb, e comida boa, claro. Tenho muitas receitas vegês, regionais, de comunidades tradicionais e para dietas de restrição tb. Se vc quiser, posso ir te passando. tento também publicar no blog alguma coisa, mas nem sempre é possível (mil demandas dessa vida, tempo curto, perfeccionismo meu tb que me impede de ficar publicando as coisas meio corridas...)Enfim, tenho uma receita de salada quilombola total vegan, deliciosa para acompanhar vários pratos e para fazer sanduíches e feita com flor de bananeira, será que vc conhece?

Quanto à macrobiótica, gosto de muita coisa e não muito de outras, assim como da vegê, da ayurvédica, do crudivorismo... vou tentando um pouco aqui e outro acolá, assim defino (ou não) meus cardápios...

Quanto ao cabelo, hahahaha, tá parecendo comigo, o meu tb é uma fonte inesgotável de mudança e (chamemos assim)intervenções criativas. Lendo sua resposta fiz um remember e percebi que só no ano passado tive o cabelo roxo, rosa, azul, quase loiro e pretão! Agora tô mansinha, no meu castanho claro quase natural... ;)

Beijão

Kenia

Vera Falcão disse...

Kenia, aceito de bom grado a tua receita de salada para experimentá-la. Adoro testar novos pratos!
Como disse o mestre Ohsawa: "a disciplina é o primeiro passo para a liberdade". Então, vc aprende, estuda, testa e depois faz do seu jeito; tudo é relativo e determinado pelo próprio indivíduo.

Bjkas!

Cabelos de Fogo disse...

Oi, Vera!!

Essa postagem pareceu ser o que estava me faltando.
Há tempos venho sentindo angústias e ansiedades que "atravancam" minha vida. Percebi que, para que a verdadeira transformação aconteça, mudar pequenas coisas cotidianas é mais importante que se arriscar em grandes saltos.

Muito obrigada! Abençoada seja!

Vera Falcão disse...

Olá, Thani! É quase meia-noite quando estou lendo teu comentário e vou dormir mais feliz por saber que o que escrevi ajudou a iluminar a tua estrada.
Adoro colecionar ditos populares e um que serviria bem nesse caso é o "de grão em grão a galinha enche o papo"! rs
Então, aos poucos a mudança vai acontecendo... beijão!

Edith disse...

Oi Vera,
Sempre vejo seus comentários nos blogs da Sonia Hirsch e da Carol Daemon, mas só hoje parei pra vir olhar o seu...muito legal, parabéns!
As receitas tão me dando água na boca, e olha que acabei de almoçar...rs
Tenho testado muitas receitas, e venho redescobrindo o prazer de cozinhar desde que "virei" vegetariana...virei sempre aqui!

Menina, que diferença não faz na vida da gente parar um pouco e escutar a nós mesmas, não??

Bjs e luz!
Edith

Vera Falcão disse...

Oi, Edith, é sempre muuuuito bom receber novas amigas por aqui! Existe ainda um grande preconceito com a culinária vegetariana, envolvendo a ideia de que abandonar a carne vai te levar a comer só folhas! rs
Há centenas de gostosas receitas que podem ser feitas sem causar o sofrimento de animais - e penso que o desafio de cozinhar sem carne também eleva o nível da criatividade, não?
Quanto a nos escutarmos, a humanidade perdeu esse hábito, assim como o de escutar o outro - nós deveríamos ser nossos próprios "curadores", aprendendo a interpretar os sinais e a refazer o equilíbrio perdido...

Grande abraço e volte!

Wilma disse...

Vera, como se organiza para ter os ingredientes para uma alimentação natureba, essa é minha maior dificuldade, ao ir às compras nem sempre encontro os alimentos que listei, e nenhum substituto a altura, rsrsrs tvz já tenha postado isso, mas acabei de descobrir o blog.

Vera Falcão disse...

Oi, Wilma, seja bem-vinda ao blog! Selecionei um tópico sobre substituição de ingredientes, o Troca-troca:
http://cozinhanatureba.blogspot.com/2008/12/troca-troca.html
Mas pensei também em fazer um tópico sobre compras, o básico para ter numa cozinha natureba, acho que poderia te ajudar e a outros leitores também.
Aguarde, ok?

Anônimo disse...

Você já leu sobre combinações alimentares incorretas, tais como misturar proteína com amido? (essa mistura seria capaz de dificultar a digestão) ou comer frutas no almoço? O que você acha disso? Precisaríamos de uma reeducação alimentar quanto ao almoço, por exemplo?

Vera Falcão disse...

Certamente, as combinações alimentares são um tema importantíssimo na alimentação, um dos grandes erros que cometemos é a... sobremesa! Ela é um hábito negativo, mas tremendamente arraigado no nosso cotidiano... como o tema é vasto, peguei informações de uma das minhas comunidades no orkut, a Alimentação Natural e trouxe-as para cá, num post dedicado só a elas!

Denise Kawski disse...

Adorei este post!!!
Não entendo absolutamente nada de chacras, mas acredito em energias.
Houve uma época que eu estava "tarada" por abacate e agora passou. Vai era por isso!!!

Bjss!!

Vera Falcão disse...

Denise, falando de forma bem resumida, chacras são "buracos" por onde entra (ou escapa) a energia sutil, cada um deles ligado a um órgão do corpo e cada um com uma tonalidade - eles seriam a versão energética dos órgãos físicos. Quando em desequilíbrio, há várias formas de fazê-los retornar ao equilíbrio, como o uso das cores.
Nosso corpo é muito sábio, temos que ouvi-lo com atenção, apenas... Beijo!