A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Testando o Caseirito 2


Pode parecer que o assunto "macarrão instantâneo" está prolongando-se demais, mas penso que enquanto há dúvidas para serem esclarecidas, pesquisa-se!

Atualizando quem não está acompanhando o assunto (leiam, inclusive, os comentários, pois têm informações importantes):

A tentação dos macarrões instantâneos

Caseirito - Macarrão instantâneo da Mãe Terra

Testando o Caseirito

Para saber mais a respeito de um dos componentes do tempero, o "extrato de levedura", que foi criticado em um artigo do Natural News, enviei outro e-mail à Mãe Terra:

Agradecida pelas informações, mas fazendo uma leitura mais detalhada dos ingredientes do tempero, percebi a presença de "extrato de levedura".
Pesquisando, descobri que esse componente é similar ao glutamato monossódico, conforme o seguinte artigo:
http://www.naturalnews.com/020426_food_foods_MSG.html

Grata por mais explicações e/ou posicionamento da empresa a respeito.

Hoje, recebi a resposta:

Prezada Vera,

Gostaríamos muito de agradecer o seu contato com a Mãe Terra.

Nós da Mãe Terra temos o prazer e nos sentimos na obrigação de esclarecer as dúvidas de nossos consumidores e lhes trazer cada vez informações relevantes para uma alimentação e qualidade de vida saudáveis e balanceadas.

Quanto ao seu questionamento gostaríamos de esclarecer que o extrato de levedura utilizado em nossos produtos é seguramente um produto natural e muito utilizado em diversos países principalmente no mercado europeu, países tidos como bastante severos e criteriosos quanto aos itens naturais.

É importante salientar que o extrato de levedura não é um substituto do MSG (glutamato monossodico) e sim uma alternativa natural aos realçadores de sabor considerados não naturais.

Para esclarecer melhor, o extrato de levedura é feito a partir da fermentação do melaço da cana de açúcar e para sua obtenção é feita uma autólise (separação de parede celular e citoplasma) e isso se dá por um processo natural. Já o MSG também é oriundo da fermentação da cana de açúcar, porém sua obtenção é feita através de um processo chamado hidrólise (processo não natural e que utiliza ácido para a reação).

É importante salientar que o ácido glutâmico citado no artigo e tido como a razão pela qual o extrato de levedura e o glutamato monossodico são citados como produtos equivalentes é uma substância naturalmente presente em diversos alimentos como tomates, peixes e queijos, dessa forma a sua presença não caracteriza o produto como não natural.

Artigos publicados em revistas cientificas confiáveis como o Journal of Food Science mostram que as leveduras são ingredientes naturais aprovado pela Food E.U and Drug Administration e que o ácido glutâmico presente nesses produtos não são prejudiciais à saúde.

Esperamos ter esclarecido suas dúvidas e estamos a disposição para quaisquer outros questionamentos.

Sempre que tiver alguma dúvida ou sugestão, não hesite em entrar em contato conosco.

Um abraço da equipe Mãe Terra.


Algumas colocações da resposta ainda não me satisfizeram, vou continuar pesquisando, mas usando outras fontes, para ser imparcial.
Uma delas encontra-se no trecho "É importante salientar que o ácido glutâmico citado no artigo e tido como a razão pela qual o extrato de levedura e o glutamato monossodico são citados como produtos equivalentes é uma substância naturalmente presente em diversos alimentos como tomates, peixes e queijos, dessa forma a sua presença não caracteriza o produto como não natural."
Não considero isso como um argumento, já que o glutamato naturalmente presente nos alimentos e o glutamato derivado (obtido pela fermentação) não são idênticos, podem ser digeridos ou absorvidos pelo organismo de forma diferente.

Também estou traduzindo o artigo para que mais pessoas tenham acesso ao texto.

É interessante que todos os leitores possam compreender o alcance desse questionamento, que não se restringe apenas em saber se a levedura X "é natural ou não", mas vai mais além: trata-se de saber realmente o que os produtos querem dizer com a palavra NATURAL estampada em seus rótulos e, principalmente, da maquiagem que certos ingredientes estão sofrendo para escapar da condenação que sofreram, como a GORDURA VEGETAL HIDROGENADA, que está sumindo dos rótulos mas não dos produtos (toda gordura vegetal no mercado é hidrogenada. Quando lemos "gordura vegetal", ela é parcialmente hidrogenada; quando lemos GVH, é totalmente hidrogenada).


Concluindo a análise:

Recebi um comentário valioso da buxi, confirmando que extrato de levedura = glutamato monossódico, mesmo sendo obtidos por processos diferentes.
Leiam nos comentários deste post e acessem o excelente blog dela, além dos links recomendados; assistam ao video.

Também enviei um e-mail ao dr. Alexandre Feldmann, especialista na cura da enxaqueca e autor do livro "Só tem enxaqueca quem quer", que respondeu o seguinte:

Vera,

O problema com o glutamato monossódico é justamente o ácido glutâmico livre.

A autólise nada mais é que a auto-digestão (auto-destruição) da membrana celular das leveduras por suas próprias enzimas.


A autólise se dá graças à exposição das leveduras ao sal comum, matando as leveduras e provocando a liberação das enzimas contidas em seus lisossomos.

A autólise das leveduras gera uma grande concentração de ácido glutâmico livre. E é claro que a autólise também libera boa quantidade de sódio. Aqui estão todos os componentes do glutamato monossódico.

Hoje em dia, com a conscientização e rejeição cada vez maior da população com relação ao glutamato monossódico, muitas empresas alimentícias preferem não citá-lo nominalmente na lista de ingredientes de seus produtos. A saída é o "extrato de levedura" ou "levedura autolisada", pois muitos consumidores ainda não estão informados da conexão direta entre extrato de levedura e glutamato monossódico. Qualquer alimento que contenha níveis significativos de ácido glutâmico livre pode causar as mesmas reações adversas que o glutamato monossódico.

Equipe Site Enxaqueca (equipe@enxaqueca.com.br)


Isso tudo demonstra que temos que ficar cada vez mais alertas com o que consumimos e que NATURAL tornou-se uma palavra destituída de sentido - temos que pesquisar exaustivamente para não sermos enganados e, mesmo assim, muitas vezes somos iludidos!

15 comentários:

buxi disse...

Ola, segundo li, Extracto de levedura contem glutamato, so que numa percentagem menor(mas julgo que mais de 70 %). Se quiser mais informações leia o livro Excitotoxins , the taste that kills do Neurocirugião Russell Blaylock, pois é bastante critico. Nem so o extracto de levedura contem glutamato, como é utilizado precisamente por exempresas para dizerem que "nao usam glutamato".
Se quiser tambem pode ver no meu blog o video do Russell Blaylock no topo a direita onde ele fala sobre esse assunto.
Parabens por falar nesse assunto, é bastante pertinente, principalmente porque em lojas naturais muitas vezes aparecem temperos dizendo-se naturais e infensivos, e no entanto contem glutamato com outras palavras. Para alem do meu blog sugiro tambem este
http://tonterias.no.sapo.pt/frameall.html
Proteina hidrolizada, e outros nomes tb sao utilizados.

Vera Falcão disse...

Buxi, gostei muito do teu blog, é dos meus! A cada dia confirmamos mais que a indústria alimentícia nos engana e, pior ainda, com a inocente aparência de "produtos naturais"... Não dá para confiar mesmo, usam qualquer recurso para fisgar o consumidor (onde estará escondida a ética? ou já morreu?)
Obrigada pelas informações, elas ajudaram a dissipar minhas dúvidas.

um abraço

La Tribu disse...

Oi Vera! Gostaria de chamar atençao pra uma matéria publicada pela Globo ontem, publiquei no nosso blog. Dá uma olhadinha lá... beijo!
http://latribualimentacionsaludable.blogspot.com/search/label/neuronas

Carla disse...

Oi Vera, tens toda a razão...
Salmonella é natural, mas quem quer comer alguma coisa contaminada por ela???
Bem, não querendo ser chata, já te disse que sou fã desta cozinha e estou sempre por aqui, como uma formiguinha escondida, olhando as novidades!:o)
Por isso, e para cumprir uma tarefa de uma gincana entre blogs da qual faço parte, fiz um post sobre 2 blogs estranhos à gincana e um deles é o Cozinha Natureba. Passa lá pra ver. Bj! Espero que goste!

Vera Falcão disse...

Carla, curiosa como sou, já fui lá bisbilhotar e deixei um comentário, é claro! Até pq não posso dar uma de Cachinhos Dourados, não? hehehehehe

Pat Feldman (crianças na cozinha) disse...

Vera, aqui em casa quando queremos um macarrãozinho "vapt-vupt", opto pelo tipo "cabelo de anjo", que cozinha tão rápido quanto os instantâneos.

Para dar aquele gostinho de quero mais, cozinhos em caldo de carne ou caldo de frango caseiros - voê e outros vegetarianos podem optar por caldo de legumes ou caldo de alho caseiros. Azeite ou manteiga e sal bruto e pimenta completam o paladar sem ofender a saúde!

Vera Falcão disse...

Pat, concordo plenamente com você, sempre vou dar preferência à comida caseira - a ideia era testar um produto comercializado como NATURAL, para ser usado eventualmente e/ou em emergências e verificar a sua idoniedade, sabor, consistência etc.
Infelizmente, não foi aprovado... pois ainda contém substâncias que não fazem bem à saúde!

Vania Dagostini Dezan disse...

Vera, adorei seu blog!
Parabéns!
Estou te seguindo. Um abraço.

Vera Falcão disse...

Oi, Vania, espero que aproveite bastante o conteúdo do blog, um abraço!

Vânia Ma'iitsoh disse...

Ei Vera!
Voltei!
Gostei muito deste post.Admiro seu talento investigativo (vide araruta)que nos ajuda a esclarecer muitas dúvidas. Sabe, a primeira sensação que tive, quando li a matéria, foi de indignação. Fico imaginando quanta coisa não sabemos, por trás dos alimentos industrializados; e quem sabe até dos cosméticos?!
Também prefiro alimentos feitos em casa...há tantas opções, principalmente para quem precisa de algo mais rápido e prático. É só se informar, né mesmo?
abraço

Vera Falcão disse...

Oi, Vânia, seja bem-vinda de volta!
Olha, é tanta enganação, que deixaríamos de aproveitar a vida se nos focassemos unicamente em descobri-las... confesso, que passo uma boa parte da minha investigando, mas isso faz parte da minha natureza, é uma necessidade que sinto. Mas fico MUITO indignada com essa nova forma de esconder os venenos: antes, o nome deles vinha escrito nos rótulos abertamente e tínhamos apenas que descobrir, pesquisando, o que significavam e fugir deles. Agora, eles apresentam-se disfarçados e temos que pesquisar mais ainda! Então, a indústria alimentícia quer nos enganar a qualquer custo, usando essas substâncias que viciam e fazem a pessoa comer mais e mais os produtos que as contém. E nem começamos a falar de vacinas, remédios, agrotóxicos, fluor... ai, ai... mas não dá para desanimar, temos que olhar também para as coisas belas e positivas que estão ao nosso redor, não é?

bjos

Cida Lopes disse...

Olá meu amor,
Adorei seu blog e sou sua mais nova seguidora.Beijos no coração!!!

Vera Falcão disse...

Oi, Cida, obrigada pelo carinho e seja bem-vinda! bjo

Carla disse...

Oi Vera, entao resumindo, ambos fazem mal??Sei sobre o glutamato, mas a levedura tbm.??Estou cada vez mais neura, fala o meu marido, mas , a verdade e que nem sempre natural e natural ne?! Nas lojas naturais, estao cheias de "levedura "nos seus rotulos...o jeito e nao comprar., as vezes e tao dificil. eu havia comprado numa loja natural o pozinho para a comida( tipo os quadradinhos de sabores Krr e Mgg) mas naturais, ali esta tbm a "levedura " e agora? bjus adorei o tema, mais um esclarecimento.

Vera Falcão disse...

Sim, Carla, conforme diversos artigos, o produto final acaba tendo a mesma função e causando o mesmo dano. O melhor, então, é evitar.