A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Brincando com as sementes

Adriana Serrão é professora de artes e arteirices e também uma grande amiga; está ministrando uma oficina para crianças no Casarão Verde/DC Navegantes, em Porto Alegre/RS, oportunidade para as crianças expandirem seu potencial que vai até o dia 19 de fevereiro, com aulas às terças e quintas-feiras (minha filha está participando e gostando muito).
Sugeri a ela uma atividade com germinação de sementes, para serem usadas em suco de frutas, na hora do lanche. Como gostou da ideia (como é difícil escrever ideia sem o velho acento...), levei sementes de girassol que as crianças puseram para germinar na última aula (dia 27). Depois, Adriana carregou as sementinhas para casa e seguiu os outros passos do processo. Hoje, elas já mostravam o "rabinho" para fora da casca. Fui até lá para ajudá-la com o seguimento da atividade.


Laura retirando a casquinha que protege a semente de girassol; ela perguntou se podia comer a semente antes de ser colocada no suco e quando experimentou, gostou do sabor, comendo muitas!

Angel também ajudou na remoção das casquinhas (ele é meu neto, um "catarina" que está passando as férias aqui).

As frutas escolhidas foram melancia e maçã, com a adição de pouca água e por último, as sementes. Davi fez questão de colocar os ingredientes no copo do liquidificador.

A mistura borbulhou...

...foi coada numa "fraldinha de bebê"...


...e virou o delicioso suco comemorado com um brinde (da esquerda para a direita): Angel, Natália, Laura, Ísis, Adriana, Davi e Gabi.

Maiores informações: 9733.8901 ou pelo email: contato@cuidadoquemancha.com.br
O Grupo Cuidado que Mancha (quem não conhece ainda A Família Sujo?) é quem dirige o Casarão Verde, um espaço lindo e criativo.


Algumas considerações sobre alimentação infantil:

Crianças acostumadas a adoçar tudo que consomem não gostam do sabor do suco natural nem de comer sementes; também há uma resistência a experimentar o novo, possivelmente, porque esse não foi um hábito criado desde a primeira infância; muito sal e muito açúcar, produtos industrializados cheios de aditivos, deformam o paladar, fazendo com que só encontrem prazer na comida muito temperada e desprezem os sabores originais dos alimentos.

O ideal é que durante o primeiro ano de vida da criança não usemos sal nem açúcar na sua alimentação e que seja introduzida (após os 6 meses de aleitamento materno exclusivo) a maior variedade de alimentos possível, respeitando a "lei dos 4 dias" (aguardar quatro dias após introduzir um alimento novo, observando se não acontecem reações alérgicas a ele). Assim, a criança conhecerá os sabores amargo, picante, ácido, salgado e doce, em sua forma pura, sem a adição de substâncias que os mascaram e poderá, entre toda essa variedade, selecionar os que mais lhe agradam.

Mas se houver consumo excessivo de danoninhos, toddynhos, biscoitos recheados, balas, bombons, salgadinhos e outras criações da indústria que estimulam exageradamente o paladar (e até o comportamento infantil), dificilmente a criançada irá apreciar o sabor das frutas sem açúcar ou dos legumes e verduras sem sal - o ideal é não adoçar artificialmente, mas caso não seja possível a exclusão, optar pelo açúcar mascavo, mel ou melado, em pequenas quantidades; quanto ao sal, usá-lo também com parcimônia e o sal marinho, não o refinado. Há uma substância, o glutamato de sódio, encontrada em grande parte de produtos industrializados, como o tempero dos miojos que as crianças adoram, que é, literalmente, um veneno.

Já existem vários estudos científicos publicados que associam a alimentação artificial que nossas crianças consomem à existência de problemas como a hiperatividade, além da obesidade, diabetes e até hipertensão.
Para modificar uma dieta, tornando-a mais saudável, é indicado o processo de trocas, isto é, vamos substituindo alimentos gradativamente, por exemplo: cortar definitivamente o açúcar branco, trocando-o primeiro pelo cristal, depois pelo mascavo e aos poucos diminuindo as quantidades diárias, para que não haja um choque e surjam sintomas de privação, pois o organismo reclama da ausência de uma substância ao qual estava acostumado (podemos dizer, viciado...). Devagar, a criança acostumará com o novo sistema e com o passar do tempo, perceberemos alteraçõs positivas na sua saúde física e mental.
Certamente, no início haverá maior dificuldade (choro, ranger de dentes e reclamações), pois a mudança de hábitos requer paciência e constância (de toda a família, já que não adianta a criança entrar num regime mais saudável e os demais membros permanecerem ligados aos antigos hábitos, mantidos à sua frente - por exemplo, ela ter que eliminar o refrigerante diário e colocarem uma enorme garrafa dessa bebida sobre a mesa, durante as refeições - nesse caso, onde fica a lógica do processo?

As sementes carregam a VIDA dentro delas e estão prontas a nos oferecer essa dádiva que guardam em seu interior (Ísis brincando com as sementes).

SAÚDE!!!!!!

12 comentários:

Anônimo disse...

Olá,Vera!Visitar seu blog com esse som de fundo e ler o que vc escreveu me deixou em paz.Pude sentir suas emoções através de sua escrita e fez sentir bem!

Obs:Não tenho blog então não consegui enviar de outra forma,por isso o anonimo...
Mas sou a Claudia.

Vera Falcão disse...

Oi, Claudia, fico feliz por ter te agradado com a minha produção!
um abraço

Ísis F. G. disse...

Oi, mãe. Vim visitar o seu blog para fazer um slide e li esse post...maravilhoso! o suco estava uma beleza...cheio de vitaminas! :D

Vera Falcão disse...

Filhota, foi uma bela vivência mesmo... coisas assim me emocionam: crianças, sementes, trocas, natureza, momentos de qualidade, vibrações harmoniosas, uma sincera e verdadeira convivência entre as pessoas - enfim, simplicidade (a chave da felicidade).
bjkas

Adriana disse...

Oi, Vera!

Tudo de bom, aprendo muito e sempre com você e com a Ísis. Muito importante as coisas que você escreve sobre a alimentação "natureba".
Confesso que mesmo consciente dos benefícios de uma alimentação natural, e mesmo buscando-a e adotando-a até certo ponto, para mim é difícil evitar certas bobagens. Mas com vivências como as de ontem, com a poderosa semente de girassol, e com as suas dicas sobre alimentos e hábitos saudaveis, me sinto renovadamente motivada a adotar mais e mais a natureza na minha alimentação.

Foi muito preciosa a atividade! Acho que foi literalmente uma sementinha na estrada das crianças dali e na nossa, pois ver de perto um alimento vivo, brincar com ele, descobrir suas possibilidades, degustá-lo junto aos colegas e saber um pouquinho mais sobre o assunto, é uma ALTERNATIVA, por menorzinha e rapidinha que seja (diga-se de passagem, vitaminada) que cada um leva para o seu repertório pessoal. Melhor fazer escolhas conhecendo muitas possibilidades do que só algumas poucas.
Tem uma frase que diz assim: Eu não sou alternativa. Eu sou uma alternativa.
Bem isso.

um beijo bem orgânico!

Green Womyn disse...

Vera, eu adorei a musiquinha. Um prazer imenso ler um texto tão bom, uma sugestão de atividade tão maravilhosa.

Beijos!

Vera Falcão disse...

que bom, que bom, que vc gostou! rs
é maravilhoso fazer atividades com sementes e crianças, ambas cheias de VIDA...
a música é da Diana Krall, sou fãzona (ou fãzoca...).

beijos pra vc também

Iris disse...

Oiii
Gostaria de saber qual a forma mais fácil de tirar as casquinhas das sementes de girassol. Grata!

Vera Falcão disse...

Oi, Iris, é bem simples: depois de 3 dias de germinação, a semente já estará inchada e úmida, então basta apertar numa pontinha que ela sairá pela outra, assim como se faz com o pinhão, por exemplo.

Vera Falcão disse...

Mais um detalhe: seque-a bem em papel toalha, caso contrário ela fica escorregadia e aí, fica difícil de segurá-la para apertar...

Juliana Malhardes disse...

Oi Vera!
Sentei na cadeira.. comi o mingau...rsrsrs e vim dar um oi! rsrsr
Que bom saber que está germinando com as crianças!
Vc encontra o girassol sem casca cru no mercado. Ele germina com 8 horas dentro dágua! Não coloca o "rabinho" como vc diz, pq a casca já se foi...
As crianças gostam muito de desenhar com cremes de frutas coloridas e sementes germinadas!
E depois comem os desenho!
Até breve!
Com carinho e alegria!
Juliana Malhardes
www.culinariviva.com

Vera Falcão disse...

Oi, Juliana, que bom receber a tua visita! Sempre que posso, faço atividades com alimentos vivos por onde passo - seja aproveitando uma brecha no trabalho de amigos ou inventando algum motivo para falar deles... já havia visto as sementes de girassol sem casca mas pensei que eram tostadas, como as de abóbora - as que compro, com a casca, sei que são orgânicas pois conheço o fornecedor (tenho receio de comprar a quilo, sem saber a procedência exata).
Nunca experimentei os "desenhos comestíveis" - é uma atividade bem legal!

um grande abraço