A cozinha é o lugar mais reconfortante da casa porque nele encontramos alimento para o corpo e para a alma. Deixe a Natureza entrar na sua e esqueça os produtos feitos pela indústria alimentícia em geral, que não coloca amor nesse ato nem está preocupada com a saúde do seu organismo e o de sua família!

Esse é um dos segredos de manter o bem-estar - não entregue essa função vital a terceiros - ponha a mão na massa, deixe a preguiça de lado e estabeleça como prioridade fazer a comida que vai mantê-lo longe das doenças!

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Hambúrguer Toscano de Feijão-Branco

















Genteeeee, faz um ano que não escrevo aqui!
É que acabei me dedicando mais à página no Facebook, que tem o mesmo nome do blog.
Mas retorno em "alto estilo", com uma receita deliciosa, com ingredientes baratos e fácil de ser feita.
Bom estar com vocês depois desse tempo todo!

Peguei essa receita do livro Veggie Burgers Para Todo Mundo, de Lukas Volger, editota Alaúde.
Vou reproduzi-la aqui, mas com as modificações que sempre acabo fazendo nas receitas alheias, porque não utilizo algum dos ingredientes ou porque ao fazê-las encontro um jeito que considero melhor para obter o resultado final.
Consegui fazer 6 hambúrgueres, dois além do indicado na receita, possivelmente porque a xícara que usei como medida não era padrão.
As modificações e comentários estão entre parênteses.

Ingredientes

1 cebola sem casca (média)
4 CS de azeite de oliva, mais 1/2 cc (usei bem mais, fui adicionando conforme notei a necessidade)
1 cabeça de alho (usei meia)
1 1/2 de feijão-branco cozido
1 ovo (usei uma CS de gel de linhaça)
3 folhas de sálvia fresca picadas (só tinha a seca em casa, usei uma colher de chá bem cheia)
1/2 xícara de azeitonas pretas sem caroços em fatias
suco de limão-siciliano a gosto (não tinha o siciliano, usei o limão-cravo, que amo!)
1/2 xícara de farinha de rosca e mais se necessário (foi necessário bem mais! celíacos podem usar outra farinha com a qual já tenham intimidade)
sal a gosto
pimenta-do-reino moída na hora

O passo-a-passo a seguir mostra como fiz e o que observei. Isso inclui ter alterado alguns ingredientes, usado os que tinha à mão, além das diferenças de utensílios e de forno e fogão que sempre existem.

Os primeiros passos são caramelizar a cebola e assar o alho, ações que podem ser feitas com antecedência. Não gosto nem costumo usar alho e cebola no mesmo preparo, mas resolvi experimentar.
A cebola é fatiada bem fina, colocada em frigideira com o azeite de oliva e não deve dourar, mas caramelizar, por isso deve ser mexida constantemente com atenção.
O alho vai para o forno médio com a casca, leva uma média de 20 minutos para ficar macio.
Espere ambos esfriarem antes de ser utilizados na preparação.

Terceiro passo: bater no processador 1/2 xícara do feijão com metade do alho e da cebola, o gel de linhaça e metade da sálvia, até conseguir um purê.

Quarto passo: picar grosseiramente a cebola e o alho restantes e colocar em uma tigela. juntar a xícara restante do feijão e amassar também grosseiramente (amo esse termo na culinária!). Acrescentar o purê, a sálvia restante, as azeitonas e o suco do limão.

Quinto passo: misturar a farinha de rosca até a massa desgrudar da tigela, deve ficar úmida. Temperar com o sal e a pimenta-do-reino. Esse é um passo importante porque a consistência ideal dessa massa é que vai permitir um hambúrguer firme. Fui adicionando a farinha até conseguir pegar uma porção e modelar facilmente o dito nas mãos. Não devem ficar muito finos, mas rechonchudos.

Sexto passo: esse também é muito importante porque o autor passa uma dica que considerei excelente, para que o hambúrguer fique crocante por fora e cozido por dentro. Primeiro fritar os hambúrgueres em pouco azeite, média de 10 minutos, para que fiquem tostados na parte exterior, ambos os lados. Aí colocar num refratário e levar ao forno médio para assar a parte interior, uns 15 minutos no máximo.

Ele coloca o tempo total de preparo em uma hora, levei mais.
Geralmente, na primeira tentativa gastamos mais tempo, depois quando já se torna uma receita manjada, nossa agilidade aumenta.

Ficaram deliciosos, comi com uma salada de folhas. Pena que não tinha rúcula na despensa, seria a folha ideal, usei dente-de-leão. Mas na próxima, ela vai estar na salada, com certeza!

Nenhum comentário: